Se você não é produtivo, o seu corpo quer dizer algo a você

Se você não é produtivo, o seu corpo quer dizer algo a você

De nada servirão para você todas as ferramentas de liderança e administração do tempo se você se sente cansado ou distraído no trabalho. Entenda a forma como trabalha seu corpo e melhore a sua produtividade, já que está diretamente relacionada com o bem-estar físico e mental.

As descobertas científicas nos permitem ter uma melhor compreensão de como funciona nossos corpos e ao colocá-los em prática podemos organizar nosso trabalho de uma maneira mais inteligente. Utilize os seguintes dados para melhorar a sua produtividade:

Alinhe seu ritmo interior com o tipo de trabalho

Matutino, vespertino ou noturno? Todos temos um relógio interno que define nossos níveis de energia durante o dia, algumas pessoas trabalham melhor pela manhã, outros pela tarde e alguns outros são corujas que fluem na noite.

Esse relógio interno é o ritmo ultradiano, que são mudanças biológicas que experimentamos várias vezes ao dia. No pico de cada ultradiano, o organismo nos presenteia períodos durante os quais estamos ao nível ótimo para realizar nosso trabalho e períodos nos quais devemos descansar.

Durante lapsos de 90 e 120 minutos (dependendo da pessoa), o corpo se encontra em estado de alerta, criatividade, e emocionalmente preparado para trabalhar. Durante esse tempo elimina todas as distrações como telefone, e-mails, chamadas ou visitas para aproveitar sua energia mental naquelas atividades que requerem maior concentração e esforço.  Depois de este tempo sua energia mental e física necessita se recuperar, e não o fará a menos que a dê pelo menos 20 minutos de descanso para se recarregar para o seguinte ciclo.

Posteriormente a este ciclo, se repetirá outro, ainda que cada vez com menor energia. Por isto é fundamental que tenha claramente identificado seu melhor horário para poder alinhar seus melhores ciclos de 90 e 120 minutos as tarefas de que demandam maior concentração/esforço e as mais fáceis nos períodos que se sinta menos energizado.

Uma vez que descubra seu ritmo biológico, não só produzirá mais, mas também se sentirá muito melhor realizando as tarefas.

Melhora sua motivação incrementando sua dopamina

A dopamina é um neurotransmissor que afeta nossa capacidade de aprendizagem e motivação, hoje as pesquisas científicas demonstram que, ao incrementar a produção de dopamina, melhora nosso interesse por trabalhar.

Esses níveis de dopamina se podem incrementar com fatores como a comida, exercício e nosso desejo de ganhar ou receber um reconhecimento. No momento em que nosso cérebro antecipa uma experiência que pode gerar reconhecimento ou conquista, se gera dopamina e esta incrementa nossa motivação e atenção. Estas são algumas formas de treinar nosso cérebro e manter níveis de dopamina altos:

  • Reconheça e registre todo o que vão conquistando como equipe: Ao registrar junto com a equipe os avanços e conquistas está gerando dopamina. Pode utilizar aplicativos especiais para isso ou simplesmente utilizar um arquivo em Excel.
  • Defina metas: Trabalhar com objetivos motiva as pessoas, e ao imaginar o bem que se sentirão ao obter o resultado, o corpo reage gerando dopamina.
  • Realize exercícios de baixo impacto como sair a caminhar, yoga ou Tai Chi.
  • Reduza os níveis de estresse no trabalho
  • Coma alimentos que ajudam a produção de dopamina: como produtos animais e ricos em vitamina B como vegetais verdes, peixes, porco e grãos integrais.

 

Sua produtividade está ligada ao seu bem-estar, uma vez que entendas como funciona e reage seu corpo poderá desenvolver um plano de trabalho que melhor se adapte a você.

O único responsável do seu corpo é você, para que ele desempenhe a sua máxima capacidade dependerá de como você o trata.

E ai? O que você acrescentaria de dica?
Testou alguma e trouxe resultado? Descreva sua sugestão nos comentários!

 

Ficou com curiosidade para saber como outros colaboradores tratam isso em suas empresas?
Se inscreva na Real Networking e converse diretamente com eles! 🙂

Texto traduzido de: https://www.entrepreneur.com/article/304515

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *