O que vestir para impulsionar sua startup

O que vestir para impulsionar sua startup

Elegante ou casual? Investidores e empreendedores dão conselhos

Como se vestem os empreendedores quando querem impulsionar suas startups para buscar investidores? Parece uma pergunta trivial, mas os especialistas e empreendedores afirmam que o código de vestimenta importa. Os fundadores se movem por uma linha muito fina: devem dar uma impressão acertada aos investidores que a sua empresa necessita, ao mesmo tempo que reflitam sua visão. A chave, dizem os especialistas, é conhecer ao público, já que um terno não é sempre a opção ideal. Investidores de capital de risco e empreendedores, refletem sobre sua primeira estratégia.

Suranga Chandratillake, sócio da londrina Balderton Capital, acredita que a forma de se apresentar é importante: “as regras não são muito rígidas, mas é melhor não ir de calção. Na mesma semana eu vi gente que veste desde camisas a ternos, mas a opção de terno e gravata não é frequente”.

Se apresentar para um presidente não é o mesmo que ir a uma entrevista de trabalho. “Quando está em uma entrevista para um banco, eles estão avaliando se podem colocar você frente para o público”, explica Chandratillake, mas explica que os executivos se preocupam menos por esse aspecto: “um empreendedor pode criar uma companhia de pijama”. Para Chandratillake, é obvio quando alguém está vestindo algo fora de seu vestiário habitual, e isso pode mandar sinais contraditórios.

Entretanto, Chandratillake sustenta que os executivos têm um problema de vestuário maior que os empreendedores. “Uma vez, tive uma reunião com alguns empreendedores jovens logo depois de uma reunião formal, estava de terno e me senti por fora do ambiente”, se lembra Chandratillake.

Bill Reichert, diretor de gente da companhia Garage Technology Ventures no Sillicon Valley, considera que os melhores empreendedores mantêm um equilíbrio entre os clientes e os executivos. “Como você se vestiria se estivesse em uma reunião com um grupo de clientes? Se está criando um jogo de realidade virtual, provavelmente vestiria uma camiseta com um logo. Se está vendendo uma empresa de software, então estaria de blazer, talvez um terno”, explica Reichert. O caso oposto é o vestuário de um executivo. “No Sillicon Valley, tão assim como falam. Alguém mais velho vestindo camiseta e calça jeans não é algo habitual”, opina Reichert. Mas há ocasiões em que o vestuário não é tão importante.

Mitchell Kertzman, diretor gerente na Hummer Winblad Ventures Partners de São Francisco, comenta que “os empreendedores que veem a nossa companhia normalmente são engenheiros, o que dizem é muito mais importante do que eles vestem”. Ainda assim, Kertzman adverte que é melhor evitar os extremos: “Não vá a uma entrevista vestido como se fosse a uma praia nem como um modelo profissional. Depois que você começar a falar, vão querer que você siga falando sobre seu produto, sua equipe, sua tecnologia, seu plano empresarial, mais do que como você está vestido”.

Simon Menashy, sócio na companhia de investimentos de capital MMC Ventures, insiste na ideia  de que não importa como o empreendedor está vestido, já que o importante é mostrar uma imagem de confiança e segurança. “Isto não quer dizer que tenha que vestir um terno, mas sim que seja inteligente na hora de escolher. Se sua startup se dedica a moda ou vende joias, venha usando seu produto”, comenta Menashy e adiciona que um empreendedor deve inspirar as pessoas a segui-las, e a vestimenta é parte desse processo.

Existem diferenças culturais entre Londres e Sillicon Valley, Ásia ou União Europeia?

Kertzman acredita que “é uma questão de gosto pessoal, no caso dos executivos, mais do que uma regra generalizada”. Kertzman ainda completa que 50 anos atrás no mundo do software, viu as mudanças experimentadas da moda no mundo empresarial. “Há 10 anos, o único momento que eu vesti um terno foi para receber uns visitantes japoneses, e agora são os japoneses os que nos visitam de maneira mais informal. Acredito que, ao menos entre os empreendedores de softwarem, a vestimenta é informal”, explica Kertzman.

Em relação aos empreendedores, Pip Jamienson, fundadora da companhia The Dots, uma rede profissional para empresas criativas, considera que o vestuário é importante já que “vivemos em um mundo de preconceitos inconscientes, por isso é melhor levar a sério a forma de se vestir”.

Jamienson adverte sobre o erro de escolher um vestuário que se distancie do estilo que usamos habitualmente, já que as relações que se estabelecem com os investidores serão de longo prazo e não se pode fingir eternamente. A empresária aconselha incluir algum elemento chamativo, os executivos vêm muitos empreendedores cada dia e é difícil distinguir uns dos outros. TJ Leonard, CEO da estado-unidense VideoBlocks, acredita que se os empreendedores se preocupam em se vestir de forma mais chamativa, os investidores prestarão mais atenção ao vestiário.

Gostou? Que tal conversar com outros empreendedores e conhecer como funcionam suas empresas? É só se inscrever na Real Networking!
https://www.realnetworking.co

Texto traduzido de: http://www.expansion.com/emprendedores-empleo/2017/08/08/5988a16aca4741ac628b45af.html

 

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *