Intercambistas de empresas

Intercambistas de empresas

Diretores de startups de alto crescimento trocam de empresa por um dia

No último mês, dei a alguns executivos de startups de crescimento uma ideia: trocar de empresas por um dia. Nós fomos em frente com ela, e vou contar aqui como foi:

O insigth:

Eu conheci Matt (head de growth da The Black Tux) em um café no dia 22 de fevereiro. Uma conversa de meia hora sobre anúncios em podcast e SEO logo se transformou em horas de brincadeiras sobre a realidade das startups  – como trabalhar com designers, construir uma cultura para resultados, ideias aleatórias, etc. Eu comecei a pensar no fundo da minha mente: cara… apesar de trabalharmos em diferentes startups, nossas rotinas de trabalho são praticamente as mesmas.

Eu percebi três coisas:

  1. Matt e eu provavelmente poderíamos trocar de emprego e ter o mesmo desempenho.
  2. A maioria das empresas mantém seus indicadores em sigilo – impedindo que outras empresas as ajudem.
  3. Minhas maiores fraquezas não são a falta de habilidades ou a negligência. Mas sim o fato de eu estar tão imerso na minha rotina que eu não consigo perceber oportunidades de melhoria.

Então eu pensei…

Vou passar um dia inteiro na sua empresa e te passar um feedback sobre seus pontos cegos, e então você faz o mesmo na minha empresa. Quer participar?

Eu fui primeiro

Cheguei no escritório deles em Santa Mônica num dia ensolarado.

Frente do escritório da The Black Tux.

Alguns dias antes, Matt me deu uma visão geral da sua empresa e mercado de atuação. A partir dessa conversa, eu pesquisei mais sobre o assunto. A manhã do dia da visita foi usada para conversarmos ainda mais a fundo sobre a empresa – questionei vários aspectos, incluindo margens de lucro, reconhecimento, comportamento dos consumidores, contratações realizadas, descontos, e-mail marketing, aquisições, personas, LTV, branding, taxas de conversão, etc. Eu captei todo conhecimento possível sobre a equipe e o negócio naquelas 3 horas. Durante o almoço, Matt me contou sobre as dificuldades interpessoais – qual as melhores formas de trabalhar com equipe criativas, de engenheiro ou com os stakeholders da empresa. Foi fascinante, principalmente porque eu passo com exatamente as mesmas dificuldades. Por exemplo, sobre o seguinte problema: considerando que reuniões de equipe podem tomar muito tempo, como podemos encontrar mais tempo para discussão, estratégia e ideação.

Durante e tarde, eu coloquei meus fones de ouvido e escrevi. Eu acabei com um documento de seis páginas, dividido em:

  1. Reflexões gerais sobre o negócio
  2. Ideias sobre como Matt poderia ganhar mais tempo e espaço livre
  3. Feedbacks sobre a estratégia de crescimento (o que eu percebi, o que está bom, o que está faltando, etc)
  4. Estratégias para áreas ainda não exploradas

Então nós passamos 2 horas conversando sobre minhas observações e debatendo sobre as ideias e estratégias. Sinceramente, fiquei muito impressionado com Matt e sua empresa. Eles estavam lidando bem com o crescimento do negócio. Os pontos cegos que percebi estavam além do escopo deles – áreas que provavelmente eles já haviam pensado sobre, mas esqueceram de retomar por um tempo. Eu chamei estes pontos de “mitologias”. Toda empresa tem as suas – alguém repara nelas em algum momento e os demais concordam se for verdade. Se parece lógico e verdadeiro. Mas, na minha opinião, há ouro escondido na quebra destas “mitologias” e no teste destas crenças reprimidas – tanto para estratégias de crescimento e pessoal quanto para o crescimento da empresa.

Matt me falou depois:

“Muito obrigada por ter vindo hoje. Achei muito construtivo saber sua perspectiva sobre as oportunidades que temos. Provavelmente o mais valioso foi ter uma visão nova e fresca sobre os diferentes aspectos dos desafios que nossa empresa está passando internamente. Realmente gostei de ter sua opinião.”

Sinceramente, eu fiquei muito exausto. Como uma esponja, eu absorvi tudo o que consegui sobre o negócio deles. Me permiti imergir na tática, organização e empresa deles. Eu definitivamente precisei de uma boa noite de sono depois daquele dia. Apesar disso, foi muito divertido e aprendi um monte – vivenciar a realidade de outro estágio de  crescimento, organização de equipe e mindset foi muito enriquecedor.

Ele veio depois.

Na semana seguinte, Matt veio para o nosso escritório.

Escritório da Twenty20

Assim como Matt fez comigo, dei a ele uma visão geral do nosso mercado para ele antes dele nos visitar.

Nós passamos algumas horas imersos em dados. Ele também pode participar da nossa reunião semanal de resultados – onde nós revisamos nossas ações mais recentes e planejamos o sprint da semana.

Eu percebi que os principais gaps de conhecimento entre nossa empresa e a dele eram:

  1. Um melhor entendimento sobre como empresas B2B são diferentes das B2C (mais personas-chave, mapeamento de tomadas de decisão nas empresas, etc)
  2. Como compreender a saúde financeira de empresas com receitas mensais recorrentes

Ele compreendeu o cenário rapidamente e ficou pronto de verdade. Depois do almoço, Matt passou mais tempo avaliando o que percebeu e escrevendo seus pensamentos.

Por volta das 4 horas da tarde, Matt compartilhou suas observações. Os principais itens foram:

  1. O tempo gasto fazendo o repasse semanal parecia excessivo.
  2. Proporcione mais momentos que possam gerar insights novos para o negócio
  3. Continue focando em SEO e boca a boca
  4. Continue testando novas formas de estoque
  5. Organize melhor o quadro de crescimento

Para mim, o feedback mais interessante foi sobre trabalhar num melhor quadro de crescimento – essencialmente, construir uma equação matemática simples que nos permita inserir uma ideia e saber o lucro esperado. Gastamos o tempo restante pensando em como este quadro deveria ser:

Matt na sala de reuniões da Twenty20

De uma forma geral, Matt deu feedback válidos sobre nossos pontos cegos. No geral, algumas das ideias já haviam sido consideradas no passado. De qualquer maneira, devido ao momento e a mitologias, nós adiamos o teste de algumas destas ideias. Desde então, nós adicionamos ela ao nosso backlog e usamos o quadro de crescimento para mensurar o impacto delas. Muito f*#@.

Matt me disse depois:

“No início fiquei nervoso pois tinha receio de não ser apto para agregar à Twenty20 em tão pouco tempo lá. Pensei que minha experiência com e-commerce para clientes seria pouco construtiva para a empresa quando aterrissei num mundo focado no lado B2B. Mas o que aprendi ao longo do dia é que, independentemente do modelo de negócio ou da indústria, crescimento é só sobre desmembrar a maneira como a empresa faz dinheiro (ou consegue usuários) e identificar os canais com mais oportunidades e otimizá-los. Assim que fui capaz de imergir nos fundamentos do negócio, o restante se encaixou.

No entanto o mais interessante é que por mais que eu quisesse que minhas ideias fossem válidas para Micah e seu time, eu terminei o dia sabendo que eu era quem tinha aprendido muito. Se você já estudou uma língua estrangeira e pode viajar para um país que fala esta língua, sabe como eu me senti no final do dia. Eu tive que conscientemente parar de pensar nos padrões aos quais estava acostumado e forçar meu cérebro a pensar de novas maneiras. Eu estava muito cansado quando fui para casa mas tudo o que eu conseguia pensar era tudo o que eu tinha para trazer de novo para meu time para aplicar no nosso método de trabalho.”

Pontos chave do Startup Swing:

  • Foi estranho?

A ideia pode parecer um pouco estranho de início. Eu não sabia como a empresa dele ou a minha iriam reagir à ideia. No final das contas, nossas equipes haviam entrado no clima. Assim que isso aconteceu, acho que eles ficaram com inveja. A verdade é que nenhum de nós é perfeito ou vai ter todas as respostas. Sempre precisaremos de alguém para apontar nossos pontos fracos… e às vezes é útil que essa pessoa seja de fora da empresa.

  • Como fazer a troca ser mais produtiva?

Foi essencial termos compartilhado muitos detalhes antes das visitas. Apesar de 8 horas parecerem muito, passa voando. Faça seu dever de casa e mergulho lentamente na realidade da outra empresa. E o mais importante, passe primeiro os feedbacks escritos e discuta depois – compartilhar suas ideias pessoalmente demora muito.

  • Você faria novamente?

Óbvio que sim.

Pensamentos finais

É extremamente válido receber feedbacks de outros especialistas da comunidade de startups. Então por que as startups escondem seus dados, avanços e desafios pessoais?

No último ano, nós decidimos divulgar a história da Twenty20 e coisas incríveis começaram a acontecer. Percebemos um incrível alinhamento interno, lucro crescendo mais rápido do que nunca, uma onda de e-mails de investidores interessados, funcionários vestindo a camisa e muito mais. Intercâmbio entre empresas, para mim, é só o primeiro passo para abrirmos nossos números para especialistas e ajudar os outros a nos ajudarem. Continuaremos buscando isso até o final de 2017.

Traduzido de: https://medium.com/the-mission/startup-swingers-3a22481c6357

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *